No seguimento do artigo de opinião publicado no site da SIC Notícias, com o título «Sou Sporting ou Sou Idiota?» e assinado por Rui Santos, enviou este movimento um email à Direcção do referido canal, solicitando a utilização do direito de resposta, por considerar que o dito artigo de opinião deturpava os factos e se referia a um conjunto de cidadãos e sócios do Sporting Clube de Portugal de forma ofensiva. 

Em resposta, assinada por Marta Silva, membro da Direcção de Informação, ficámos a saber que no entendimento da SIC o “conteúdo da resposta não se mostra limitado pela relação directa e útil com o escrito respondido” e que o que Rui Santos escreveu não foram “referências de facto inverídicas ou erróneas” e assim “não sendo, por isso mesmo, publicável”.

Face ao exposto e por considerarmos que Rui Santos foi apenas o primeiro de uma série de “capitães de março”, ligados à comunicação social, que ensaiaram a deturpação da mensagem contida nos comunicados do Sou Sporting, publicamos a comunicação enviada à SIC Notícias no sentido de repor a verdade.

 

“Sou Sporting!”

Na sequência dos dois comunicados publicados pelo movimento Sou Sporting, fomos todos brindados com um artigo de opinião, no site da SIC Notícias, onde um habitual comentador titula e questiona o seguinte: “Sou Sporting” ou “Sou Idiota?”.

Nem querendo colocar a hipótese do aproveitamento de uma conjugação de palavras para, como é apanágio do dito comentador, alfinetar o Sporting e todos os que dele dizem ser, é justo que sublinhemos que temos a SIC Notícias como um dos canais de informação que nos merece total respeito, nomeadamente pela forma como a maioria dos seus profissionais procuram, diariamente, manter vivos os pressupostos que estiveram na origem do jornalismo e que cabem na gaveta da ética e da deontologia. Esses mesmos profissionais fazem um apelo aos seus telespectadores a “exigirem a verdade”. E isso é o que exigimos.

Não podemos, no entanto, deixar de questionar, a forma enguenitada que embrulha todo um artigo de opinião que, pese sê-lo, carece de honestidade intelectual e de um olhar sério para o que este movimento publicou e questionou.

O que estes Sportinguistas, que podem dizer “Sou Sporting”, fizeram, foi levantar dúvidas resultantes de uma situação “profissional” relacionada com o cidadão Frederico Nuno Faro Varandas que, neste momento, por eleição, exerce a função de presidente do Sporting Clube de Portugal.

E, à falta de esclarecimentos por parte do Clube e de quem, como Presidente da Mesa da Assembleia Geral, tem a função de ser o representante de todos os sócios, as questões colocadas emergiram do binómio Presidente do SCP / Membro Efetivo do Exército Português, conjugadas com as disposições contidas nos Estatutos do Sporting e, igualmente, no Estatuto dos Militares das Forças Armadas.

Não terá sido certamente por acaso que, após o nosso comunicado, a Revista Visão – do mesmo grupo empresarial da SIC – e a LUSA, fazendo um jornalismo de investigação sério, desmascararam uma série de mentiras, esclareceram os factos e mostraram que a verdade, mais ou menos desportiva, não está de quarentena nem merece ser distorcida com hipocrisias conjunturais.

Assim, consideramos fundamental esclarecer o seguinte:

  1. O Sou Sporting não emitiu “um comunicado a pedir convocação de eleições para… abril”.
  2. Face a uma realidade, factual, pública e notória [que o PMAG do SCP chamou de “questão”] interpelámos quem de direito utilizando uma frase interrogativa direta.
  3. Como tal NÃO PEDIU, REQUEREU OU SOLICITOU fosse o que fosse, mas apenas invocou a literalidade do número temporal expresso nos Estatutos do Sporting “no prazo máximo de 30 dias da ocorrência” [nº 2, do artigo 37º, dos Estatutos do SCP], sendo que somando 30 dias à data de 20 de março, calha a dia 20 de abril.
  4. Fazendo a leitura da Lei e dos Estatutos apenas questionámos se, tendo em conta os factos, iria haver eleições no Sporting. Obviamente que temos toda a consciência de que nunca se poderão realizar na data referida, devido às circunstâncias dramáticas que o país e o mundo vivem. Ainda assim, voltamos a sublinhar, questionámos o senhor PMAG sobre a aplicação dos Estatutos.
  5. Depois, chama para a preleção um antigo Presidente do Sporting, numa tentativa de encadear factos e confundir os leitores. O Sou Sporting nada tem a ver com as posições pessoais de Bruno de Carvalho. O Sou Sporting apenas pretende CONSTRUIR O SPORTING DO FUTURO, HONRANDO O PASSADO E TRABALHANDO NO PRESENTE!
  6. Os Sportinguistas que podem dizer “Sou Sporting” não recebem nem aceitam lições de moral ou civilidade, quando pretende confundir para reinar, chamando à colação o triste e horrível momento que toda a sociedade vive, em decorrência da pandemia que nos afeta a todos.
  7. Chamar “imbecis” a cidadãos que, usando a liberdade de expressão, questionaram um quadro legal existente no âmbito dos seus direitos de sócios e da vivência num País Democrático, revela muito sobre quem escreve. É fácil apontar o dedo à crispação e ao tom da linguagem dos agentes desportivos, autoexcluindo-se da sua análise.

Ao escrever o que escreveu, que o Sou Sporting emitiu “comunicado a pedir convocação de eleições para… abril”, faz lembrar Eça de Queiroz no celebre “O Conde de Abranhos”, essa figura queirosiana que situava Moçambique na costa Ocidental de África, e ao ser interpelado sobre tal facto respondeu: "- Que fique na costa ocidental ou na costa oriental, nada tira a que seja verdadeira a doutrina que estabeleço. Os regulamentos não mudam com as latitudes!"  

Efectivamente, os regulamentos e os estatutos não deviam mudar ao sabor do desejo de quem os está a usar. E respondendo à pergunta colocada, “Sou Sporting” ou “Sou Idiota?”, é com total orgulho que respondemos “Sou Sporting!”. E isso é algo que Rui Santos jamais poderá responder.