Dado o momento presente do nosso clube, muito se tem falado deste assunto. Há quem queira o fim das claques pois veem nelas vários problemas para o clube. Desde as regalias financeiras que lesam o clube, a serem vândalos, a prejudicarem o clube pelos cânticos contra a direção atual, até às multas que o clube tem de pagar pela utilização de engenhos pirotécnicos e o facto de acharem que prejudicam os nossos empregados (sim, quem ganha ordenado no SCP é um empregado do clube, nada mais, nada menos).

Seja qual for a opinião de cada um, há algo que temos de perceber. TODOS temos direito à opinião. E se há coisa que desde há bastante tempo a esta parte não tem existido, é o respeito por opiniões divergentes.

Há algo, no entanto, que considero ser de extrema importância. Quando se emite uma opinião deve-se sempre tentar fazer de forma informada e correta. E o que vejo muitas vezes são opiniões baseadas noutras opiniões, e sem grandes fundamentos e informação. E isso tenho de dizer que, a meu entender, não são opiniões. É ruído.

Assim, e por forma a tentar deixar as coisas de forma mais clara, vou deixar aqui alguns prós e contras, para que cada um possa depois avaliar cada ponto, e assim chegar à sua própria opinião.

OS PRÓS

O apoio à equipa e a pressão psicológica aos adversários.

As claques são a alma de um espetáculo desportivo. Com os seus cânticos e coreografias, com as suas tarjas, criam um ambiente de incentivo às equipas. Além disso servem também para criar pressão ao adversário. Ter um estádio, um pavilhão, a puxar por uma equipa é de extrema importância.

A festa do desporto e a união das bancadas.

É inegável que ter um grupo de sócios e adeptos a cantar e puxar pela equipa, acaba por ser algo que influencia os outros adeptos. Quem já teve a sorte de assistir a jogos nestas condições sabe que é um ambiente contagiante, de união, de família. É isto que se quer num espetáculo desportivo. Sentir o arrepio ao ouvir milhares de pessoas a cantar uma música, é indescritível.

Em todo o lado, a qualquer hora, em qualquer condição atmosférica.

É inegável também que as pessoas que pertencem aos GOA dão mesmo muito pelo Clube. Prescindem de tempo em família, de dinheiro para férias, de jantar e almoçar fora tantas vezes quanto gostavam, tudo porque investem muito do seu tempo e dinheiro em prol do SCP. E não é só no momento dos jogos. Antes disso existem horas de preparação para se fazerem as tarjas, para se comporem novas canções, para se organizarem por forma a estarem a apoiar várias equipas ao mesmo tempo. Tudo isso exige tempo e dinheiro.

Além disso faça chuva ou faça sol, lá estão eles e elas no apoio, e com a presença sempre assídua. Quantos de nós faz isso todas as semanas ou está disposto a fazer? Você faz tudo isto?

Ter os membros identificados.

Aqui deixamos a parte sentimental e passamos a algo muito importante, a segurança. Por muito que se possa dizer que ainda assim há quem prevarica, a verdade é que se pertencem a uma das claques do SCP (associações registadas e legalmente constituídas), além de estarem sujeitos às regras a que todos os outros estão, têm ainda outras. E além de eventuais sansões do clube, também terão as dos seus pares. Por vezes parece que os Sportinguistas se esquecem do perigo que é a existência de pessoas não identificadas, os tais Casuals. Aqui ficam alguns exemplos do que acontece, e obviamente a impunidade é uma constante.

https://www.ojogo.pt/futebol/1a-liga/noticias/adeptos-nao-identificados-lancam-caos-junto-do-dragao-3500391.html

https://www.youtube.com/watch?v=OSIRla2yCg4&has_verified=1

https://www.dn.pt/desporto/casuals-os-hooligans-mais-violentos-9345207.html

https://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/detalhe/casuals-sao-problema-para-o-futebol-portugues

Qualquer Sportinguista se revolta quando vê a maior claque do nosso maior adversário a sair impune acontecimento após acontecimento. Além deles, o clube que os apoia (SLB) também não sofre castigos porque se refugia no facto de não ser uma claque registada. No entanto, todos sabemos que o clube lhes dá apoio. Todos sabemos apenas não são registados para poderem continuar a passar impunes a castigos. É isto que querem no SCP? É este o caminho que devemos seguir?

O aumento do número de sócios

Para se pertencer a qualquer uma das nossas claques, tem de se ser obrigatoriamente sócio do clube. Sou completamente a favor disto! De outra forma não me faz sentido. É aliás um dos objetivos das claques a angariação de sócios para o clube, assim como para a sua associação. Se esta regra for respeitada, todos ganham!

OS CONTRAS

As sanções para o clube

É verdade que quando são feitos certos atos nas claques, o clube acaba por sofrer consequências financeiras. Inegável e tem de se alterar.

Mas isso acontece porquê? Primeiro, porque temos as nossas claques legais e registadas, e é assim que deve de ser no meu entender. Segundo, porque não existe uma verdadeira ligação de parceria e de seriedade entre o Clube e as claques. Neste momento estas questões são gritantes e está à vista de todos. Não é só de agora, mas neste momento o fosso entre eles é enorme. Como tal, o sentimento de revolta, de mau estar, de falta de reconhecimento, é gritante. Pergunto-lhe a si, que me está a ler neste texto, como se sente quando alguém que ama e por quem luta, o ignora, não dá valor ao seu esforço, não o apoia em nada, apenas critica os seus erros, retira-lhe as suas coisas que tanto trabalhou para ter, e nunca vê nada de bom em si? Como se sentiria?

A violência e alegados crimes de tráfico de droga

Se é de uma claque, é porque é violento e drogado. Quantas vezes já ouviram esta frase? E será que não é um dos que pensa assim? Podemos, cada um de nós, em verdadeira consciência, fazer uma afirmação destas? Na minha opinião, não.

Não quero com isto dizer que não existam estas situações, mas não podemos colocar todos no mesmo barco. É injusto. Não é por eventualmente ter alguém numa família que tenha cometido um crime, que se pode dizer que todas as pessoas dessa família são criminosas, certo? Não é justo, não é verdade, e não é aceitável. Por isso há que saber separar as coisas.

Sou apologista de que tem de haver, isso sim, por parte do clube, uma equipa verdadeiramente dedicada à ligação entre o clube e as claques, que faça auditorias e que garanta que situações desta natureza, e outras, não acontecem. Como em tudo neste país, falta fiscalizar a sério. E não devem estas pessoas, a meu entender, ter tido qualquer ligação a claques no passado, por forma a garantir maior transparência.

As regalias

Uma das coisas que mais se aponta são as regalias que se dão a uma claque. Ou porque têm a Gamebox a preço muito mais acessível, ou porque têm bilhetes de oferta, ou porque têm ajuda financeira, ou porque têm autocarros… tudo o que as claques consigam, é sempre o clube que tem prejuízo. Mas será mesmo assim?

Relativamente ao preço da Gamebox, quem acha que o problema é as claques poderem ter um preço mais acessível, então, coloco uma questão: porque não se faz associado/a da claque para poder ter este benefício? Quiçá até depois poder fazer a diferença para o positivo dentro do grupo? Porque não fazer parte da solução, e não apenas apontar problemas?

Relativamente aos Bilhetes de oferta, bem se este era um problema, então penso que neste momento é um completo não assunto. A partir do momento em que se oferecem em todos os jogos milhares de bilhetes, seja lá por que motivo for, ele é porque tem Gamebox, ou porque é amigo, ou porque é família, ou porque sim, cai completamente por terra esta questão. E penso que seja do conhecimento geral que nos últimos tempos a quantidade de bilhetes de oferta tem sido substancial. Sempre se ofereceram bilhetes, provavelmente sempre se irão oferecer. Talvez tenha é de existir uma maior transparência neste assunto, e também informação aos sócios da quantidade de bilhetes oferecidos e com que critérios são oferecidos. Uma questão de transparência como disse.

Já quanto às ajudas financeiras para as deslocações em autocarros, é minha opinião que o clube também deve de ajudar neste sentido. Volto a lembrar que estas pessoas prescindem de tempo com a família, que gastam muito dinheiro em prol do clube. Se é do interesse do clube uma maior quantidade de apoio em jogos fora, então porque não ajudar, comparticipando nos custos? Quem acha que é muito dinheiro… bastava, se calhar, ter menos um jogador de futebol masculino sénior, daqueles que só existem para fazer número, e este valor era suficiente para vários anos de apoios. Há muito por onde escolher para se ir buscar 500€ ou 700€ para um autocarro, e assim, poder ter mais 50 pessoas a apoiar a equipa. É tudo apenas e só uma questão de prioridade.

As manifestações de desagrado

Na opinião de muitos as claques e os seus membros não têm o direito a se manifestar a favor ou contra qualquer direção, treinador ou atleta. Só têm de estar sempre presentes, cantar, bater palmas e ir embora.

Será isto algo sério de se pedir? Então exigimos que estas pessoas apoiem, que estas pessoas prescindam do seu tempo em prol do clube, do seu dinheiro, obrigamos a que sejam sócios, mas depois não se podem manifestar se estiverem em desacordo com o que se passa? É isto uma posição séria? É isto justo? É isto humano? Faça estas perguntas a si mesmo. Se fosse consigo, se fosse a si que dissessem isto, aceitava? Faria isso?

CONCLUINDO

Para terminar e dando a resposta à pergunta do título, em minha opinião: SIM, as claques devem de existir!

Diria até que têm de existir! Mas sem dúvida que se tem de rever a forma como é feita a relação entre as claques e o clube, as obrigações de parte a parte, e o respeito que tem de existir mutuamente.

Melhores protocolos, uma verdadeira equipa dedicada à ponte entre ambos, fiscalização séria e assídua, reconhecimento do valor das mesmas, maior responsabilização de cada elemento, havendo sansões claras em caso de prevaricação, e trabalho de equipa. Tudo uma questão de se querermos ser sério, adultos e de querermos que isto realmente funcione.

O que peço a cada pessoa, a cada Sportinguista, é que limpe a cabeça de ideias preconcebidas do que já ouviu dizer. Pare e por instantes coloque-se na pele de uma destas pessoas, de um destes sócios e sócias. Depois seja sincero consigo mesmo e veja se estaria disposto a fazer tudo o que fazem e ainda ouvir tudo o que ouvem. E por último tentemos todos fazer parte da solução e não do problema. Pensemos o que está mal, e no que mudaríamos, de forma séria, informada e justa.

Saudações Leoninas.

SPORTING SEMPRE!

Sara Dias – Sócia nº 171.861-0